domingo, 1 de junho de 2008

DIA DA CRIANÇA


Um pouco por todo o Mundo hoje comemora-se o dia da criança.
Na Guiné-Bissau também há quem se lembre que hoje é o dia da criança. Pelo menos ontem no orfanato já algumas crianças ensaiavam músicas enquanto outras já brincavam com bolas oferecidas. Hoje algumas amigas foram distribuir os sorrisos enviados pela
Kassumai. Também na escola do ensino básico Salvador Allende havia um programa de actividades para este dia. Mas nem todas as pessoas se lembram, nem todas as crianças sabem.
Passei ali pela tabanca dos meus meninos, onde vive a Meida dos olhos azuis (e onde vivia a Fatinha), e ninguém parece saber que dia é hoje.
Afinal não é um dia muito diferente de outros. Alguns foram buscar água, o que tem que se fazer todos os dias e hoje não pode ser excepção. Lavar a loiça também é tarefa de todos os dias, seja que dia for.

Fico por ali um bocado, tempo suficiente para perceber que meia dúzia de brinquedos não chegam para ir visitar uma tabanca, onde as crianças abundam. Não é problema, aqui toda a gente sabe partilhar. O espírito comunitário deste povo é verdadeiramente impressionante, genuíno. Alguns estão tristes porque ainda não estão a agarrar um brinquedo, que já foi de algum menino que vive em Portugal, mas dali a instantes, o brinquedo já voltou a passar de mão, e todos terão o seu brinquedo por alguns momentos.
Quando me venho embora diz o homem garandi (homem grande/velho): Já acabou? Respondo: Sim, são muitos. Não é possível chegar a todos. E ele conclui: São muitos. É o problema africano!
Não sei se o problema é serem muitos, se os recursos é que são poucos, ou se tudo é mal governado e mal distribuído.
Aquelas crianças ainda não pensam nisso. Continuam a brincar, como deve ser.

(Agradeço a uma série de pessoas, amigas da minha mãe e da minha tia, que ao saberem que aqui estou, lhes vão entregando coisas dos filhos, roupa e brinquedos em muito bom estado, e que vou trazendo e distribuindo.)

FESTA ACADÉMICA

Na 6ª feira foi noite de festa de encerramento das aulas da FDB. A festa foi na Tropicana, um dos melhores espaços nocturnos de Bissau. Os guineenses adoram festa, e os universitários idem. Agora juntem-se as duas características e a festa só podia ser de arromba. Alunos, professores, funcionários, colaboradores e mais alguns convidados viveram horas de alegria, boa disposição, divertimento. Não há palavras que descrevam a música, perfeita, o ambiente, perfeito. Não há foto que o retrate, aliás quase todas ficaram escuras, desfocadas e afins. Mas isso não interessa. Uma só palavra descreve o ambiente: harmonia. Os alunos felizes, espantados com os professores, sim que afinal também dançam e se divertem como toda a gente. Caíram as máscaras e ali todos eram iguais, todos riam, bebiam, falavam e dançavam ao mesmo tempo. Foi um dos melhores momentos que aqui tenho vivido. A sensação de satisfação é indescritível.