quarta-feira, 17 de junho de 2009

TÁXI

No primeiro ano andei muitas vezes de táxi em Bissau. Depois cada vez menos até quase nunca. A semana passada apanhei um táxi na Avenida em direcção ao centro. Já nem me lembrava da última vez que tinha andado de táxi.
Mas lembrava-me, claro, que os táxis em Bissau são colectivos. Este vinha vazio quando entrei mas, à medida que avançava na Avenida, o taxista ia circulando mais perto do passeio na esperança de apanhar mais um cliente com destino no mesmo sentido.
Quando nos aproximávamos do destino já achava que desta vez não iria partilhar o táxi com mais ninguém, e então comentei com o Sene (taxista): Hoje não há muita gente a andar de táxi.
Diz o Sene: Esses tempos é assim. É a crise. Pessoas não andam mais de táxi. De facto olhei com mais atenção, e parece haver mais pessoas a pé e os táxis circulam cada vez mais com um só cliente.
Tive pena do Sene e de todos os outros. Aqui, os transportes públicos têm sido dos pequenos negócios mais rentáveis e acessíveis a vários guineenses (noutros negócios predominam internacionais).
Na Guiné tem-se ouvido falar menos de crise do que comparado com o resto do mundo. Se contacto diária e repetidamente com a palavra crise tal deve-se às notícias que vejo na RTP ou leio na internet. Talvez por na Guiné a situação ser permanentemente mais difícil que na maioria dos outros países (na última contagem era o 3º mais pobre do mundo) fala-se menos na palavra crise.
Agora torna-se assustador a constatação de episódios como este. Quando se pensa que aqui tudo está tão mau e que já não pode piorar. Pode sempre.
Nos dias que se seguiram voltei a andar de táxi, uma ou outra vez foi partilhado, outras não.
Uma viagem de táxi pela cidade custa, para a maior parte dos percursos, 300 Francos CFA (cerca de 0,45€).
Os táxis são na sua maior parte Mercedes velhos que vieram da Europa e alguns encontram-se em mau estado e aqui acabam de se deteriorar até não conseguirem circular mais.

7 comentários:

Sofia Fernandes Gaspar disse...

Ai os táxis!!! Nunca me esquecerei da risota na primeira vez que descobri, num táxi, aquela maçaneta única de abrir os vidros que vai saltando de mão em mão de passageiros, consoante a necessidade de apanhar ar... "amigo, passa aí a maçaneta para eu abrir a minha janela!" :)
Continua o bom trabalho, as crónicas são óptimas ;)
beijocas

Mónica Lice disse...

Foi o meu meio de transporte preferido durante quase 5 anos...

As experiências foram únicas, e mais não digo!

Beijinhos e parabéns pelo post.

No bai disse...

Também eu me fartei de andar de táxi.

Houve histórias engraçadas.

Uma vez eu e uma colega que já aí não está (a C.) saímos a correr do táxi porque o taxista estava a levar dinheiro a mais. Nós não lho queríamos dar. Ele parou o táxi, saiu aos berrose nós saímos a correr pelo outro lado e atirámos-lhe o dinheiro. :)

Achava engraçados aqueles cujos bancos eram forrados com um pêlo branco (parecia lã de ovelha!). Com o calor que aí faz, não davam jeito nenhum.

Beijinhos e obrigada por me fazeres relembrar acontecimentos esquecidos

* Atelier Ao Meu Gosto * disse...

Nunca andei de táxi na Guiné... ;) nunca passeei por essas belas terras!
:)
Por Lisboa também há anos que não apanho um táxi... é a crise!

Um beijinho para ti Ana!
Lena

♥ Guida disse...

Bem, gostei do facto de os táxis serem colectivos! Por outro lado, sim, é uma pena a tal crise e que aí vão parar os carros que aqui já não prestam. E realmente é uma afronta: aqui somos "roubados" quando andamos de táxi, aí eu sei que a maior parte das pessoas não tem as mesmas possibilidades, mas 0,45€ é uma ninharia :(


Beijinho

MEB disse...

Não conheço essa realidade da Guiné -os táxis. Penso que não existiam no meu tempo mas, pelo que conta são pitorescos. Aliás, tudo tem um sabor muito especial na Guiné. Não é igual a nada! É ela própria! E, aí, está o principio do encanto. Beijinhos

A R disse...

Olá
Como sabe, o ''taxista'' que utilizei aí foi recomendado pela D. Fernanda.
Piada... piada... foi quando na saída à noite me recomendou levar ''lanterna''... e bem útil foi o conselho!!!