domingo, 12 de julho de 2009

PANOS, FAZEDORES DE SONHOS

Para uma menina que até à idade adulta viveu num lar cheio de amor, que teve sempre tudo o que precisou, e quase sempre o que quis, o mundo parece ser bem mais fácil do que o que é na realidade.

Quando cheguei a África, aos 25 anos, durante algum tempo vivi iludida de que tudo ia melhorar aqui, que ia fazer a diferença. Parecia tão fácil ajudar alguém. E toda a gente precisava de ser ajudada. Não demora assim tanto tempo a perceber que não se vai mudar o mundo. A desilusão tem sido quase uma constante na Guiné.
De 2005 para 2006 alguma coisa pareceu mudar. Foi a ilusão do primeiro ano aliada a alguns melhoramentos, uma maior limpeza da cidade, maior frequência de luz da rede pública, um povo cheio de fé numas eleições e num novo Presidente eleito.
Os anos que se seguiram não foram fartos de alegrias e até culminarem, no final do último e neste em que nos encontramos, numa profunda instabilidade, insegurança, tristeza, descrença.

Ouvi várias vezes a minha mãe dizer que quem precisa, precisa sempre, quem dá não pode dar sempre. É a pessoa mais generosa que conheço e a minha tinha Alcina, sua irmã, também. De um modo geral é feitio de irmãos.

Por isso quando algumas pessoas que viam o blog me começaram a perguntar como podiam ajudar fiquei a pensar: ajudar como? Há várias campanhas de recolha de fundos e bens que são enviados para aqui, e aconselho sempre a participarem nessas.

Mas uma das vontades mais firmes de querer ajudar partiu da
Lena, e pensámos e falámos, e concluímos que era possível aliar a sua ajuda a um projecto muito interessante. A Lena cria peças lindíssimas que vende no Atelier ao meu gosto e combinámos que eu enviaria os panos mais apropriados que conseguisse no Bandim e ela criaria peças com esses panos e o dinheiro realizado com a venda dessas peças serviria para ajudar alguém aqui na Guiné. Assim começou esta semana a campanha Afric-Ana + Atelier ao Meu Gosto.

À Lena cabe um trabalho que nem imagino e que pode ser imenso mas que ela parece fazer com muito prazer, a mim coube-me também uma tarefa difícil mas ao mesmo tempo aprazível. Difícil é escolher os beneficiários da ajuda, não falta que precise, e ao mesmo tempo decidir a forma de ajudar.
Entregar dinheiro a alguém porque é pobre é, a meu ver, uma ajuda com pouco retorno. Não significa que aqui ou ali não se dê dinheiro a quem pede, é impossível resistir quando alguém nos diz “tenho fome”. Mas andar por aí a distribuir dinheiro que alguém me enviasse nunca foi questão que eu colocasse.

Sem prejuízo de a ajuda poder ser alargada a outros destinatários ou ser feita de outra formas, hoje cumpre-me divulgar os primeiros destinos das receitas obtidas e a obter.

Há uns dias apresentei-vos a Menô e a Ondinha. Um dos seus sonhos é fazer um curso de informática. Acabaram de concluir o 9º ano e estão agora de férias. Informei-me e o melhor sítio para fazer um curso de informática é o SITEC. Uma empresa que vende fornecimento de serviço de Internet e materiais informáticos e respectiva manutenção. Assim, a campanha irá pagar a inscrição e propina de cada uma num curso de iniciação à informática, onde aprenderão a trabalhar com programas básicos, mas, de certeza, as suas preferências irão recair na aprendizagem do acesso à Internet.

Esta solução é, a nosso ver, não só a concretização de um sonho destas beneficiárias mas uma forma de lhes dar uma mais-valia para um dia concorrerem a empregos. No final do curso de 2 meses receberão um certificado, e quem sabe para o ano não se conseguirá uma oportunidade para frequentarem um nível mais avançado.
(Cada nível de curso de 2 meses custa 35.000 FCFA ou 53,35€)

O outro destino que foi também já definido mantém esta linha de pensamento de dar formação e ajudar a construir um futuro de conhecimento.
A Meida foi a menina que escolhi para inscrever numa escola privada onde iremos pagar as suas propinas.
Porquê a Meida e não outra criança qualquer?
Pelos seus lindos olhos, em primeiro lugar. É um cliché que aqui fica bem. Mas também porque em Setembro entra para a 1ª classe.
Temos muitas dúvidas em relação a este caso. Comprometemo-nos este ano mas queremos tentar o mais que pudermos fazê-lo todos os anos seguintes de escola.

A escola escolhida fica do outro lado da estrada em relação à casa onde habita. Chama-se Escola Privada Professor Doutor Cavaco Silva. É considerada uma das melhores escolas privadas da cidade. Tem boas condições e as aulas funcionam com regularidade, desde a pré até à 11ª classe (última do currículo). Informaram-me que o actual Presidente português teve conhecimento desta escola e com o seu apoio será criada uma biblioteca no próximo ano lectivo. Refira-se que aqui a importância das escolas privadas é grande e crescente pois o ensino público sofre de deficiências profundas. Este ano lectivo, devido a meses de salários em atraso aos professores, foram menos de 2 meses de aulas em todo o período que vai de Outubro a Julho. Interrupções de greve, de feriados, de dias de luto, instabilidade. Tudo serve para não se ir à escola ensinar e aprender. Bem diferente nas escolas privadas.

Esta ajuda já foi combinada com a família da Meida na última visita. Cresceu desde a última foto,
AQUI. Como a família da Meida é muito pobre a ajuda à Meida inclui roupa para ir arranjadinha para a escola, onde estudam alguns meninos de famílias com mais posses, e os materiais escolares, livros, cadernos, canetas, lápis e outros.
(Entre inscrição e propinas serão pelo menos 82.000 FCFA ou 123,47€)

Para terminar, faltam-me palavras suficientes para agradecer a imensa bondade da Lena, sem a qual nada disto se concretizaria, e agradeço mais uma vez às pessoas que também têm ajudado de todas as formas, em especial à minha mãe e à minha tia Alcina e às pessoas que algumas vezes lhes entregaram roupas e brinquedos para eu trazer e oferecer.

Aqui está parte da matéria-prima que foi enviada e que serve para a confecção dos sonhos destas meninas!

11 comentários:

Telma disse...

Olá Ana,
Quero felicitar-te pela iniciativa e fico muito feliz pelas três primeiras princesas africanas que irão beneficiar dessa preciosa ajuda!

Abraço,
Telma

* Atelier Ao Meu Gosto * disse...

Já ontem tinha passada por aqui e tinha lido as tuas palavras, Ana.
Mas só hoje deixo o comentário... ontem após ler-te não consegui ficar sentada ao computador, levantei-me e peguei nos tecidos e nos moldes e mãos á obra, sem tempo a perder... era 1h da manhã.

Um beijinho,
Lena

recicl@rte disse...

Ana e Lena,
com pessoas como vocês as duas é possível continuar a acreditar que o mundo pode ser mudado para melhor!
Muitos parabéns pela iniciativa!

Sofia

♥ Guida disse...

Olha, cheguei ao teu blogue pelo mini-saia e por cá tenho passado sempre. E esta iniciativa deixou-me mesmo de boca aberta!

Tornas, com certeza, possível um desejo difícil de cumprir por aí, o de dar um futuro melhor a essas meninas e isso é de louvar! :)


Beijinho

Ana Sofia disse...

Sei que esta não será a primeira vez que farás a diferença na vida de alguém aqui na Guiné, mesmo que apenas com pequenos gestos. Sei também que não será a última. Pela tua bondade, os meus parabéns, Ana!

Muitos parabéns também à Lena!

Beijinhos!

MEB disse...

Parabéns, Ana. É o começo de uma iniciativa que, seguramente, se vai expandir e, assim, ajudar de uma forma eficaz. Gostaria, como disse há uns meses atrás, de poder contribuir, seja qual for a maneira. Sabe que teria muito gosto. Se puder fazê-lo, diga-me, por favor, como. A menina de olhos azuis é uma verdadeira ave do Paraíso. Linda.

Daniela Marta disse...

Olá, Ana,

Adoro o teu blog, e a cada post aprendo imenso. Parabéns pela iniciativa, muito interessante com grandes possibilidades de fazer muita coisa por muita gente. Gostaria, ainda, de partilhar contigo algo em que acredito: de fecto, a sós não conseguimos mudar o mundo, com a ajuda de outros, conseguimos ajudar muita gente, mas basta tornarmos a vida de uma só pessoa, numa vida melhor, para já estarmos a contribuir para um mundo melhor! Não deixes de acreditar!
Um abraço,
Daniela Marta

Laura disse...

Olá, sou brasileira, moro em Florianópolis, SC. Por conta do destino, tenho a felicidade de ter vários amigos guineenses e sou profunda admiradora "das coisas suas!!!" Gostaria de contribuir de maneira concreta com este teu projeto. Sou estilista, e quem sabe, produzo algumas peças aqui também, com os seus belos tecidos e assim, as possibilidades de apoio aos teus conterraneos, aumentam. Serei grata se me responderes.


Abraço,
Laura

Joana Cruz disse...

Olá Ana,

Kuma ku bo sta?

Já regressei da Guiné mas tal como escrevi nos "sorrisos" o meu coração ficou algures por aí...
O teu blogue, do qual gosto muito, vai-me mantendo mais próxima dessa terra que tantas alegrias me fez viver.
Adorei a tua iniciativa e vou ter o maior orgulho em passear com uma Bolsa Porta-Moedas "Guiné-Bissau".

Um beijinho,

Joana

Ana Claudia disse...

Obrigada a todas pelo apoio.

Laura podes escrever-me para o meu e-mail (anaclaudia21@hotmail.com).

Em breve vou colocar um post sobre vestidos com panos daqui e pode ser que saia mais uma grande ideia.

Beijinhos a todas.

Mariana disse...

Gostei do blogue :)

bj